11–2022, rj

Deita o seu rosto no meu peito
E me cativa. Arrasta seu dedo no meu,
Molha o meu beijo no seu,
E me motiva.

Firma meu pulso na tua mão
E se puder, me ensina
A esquecer o que será,
O que foi, o que não vi, o que virá;
O que doeu, o que sarou, o que esqueci.

Me guia e
Afasta o meu medo de cães
Enlaça nossas boca-irmãs
No meu peito cheio e as suas costas nuas.
Sente a minha mão que sorria
Meu olhar forte sob a luz escura
Toque suave castigando a nuca
E essa ternura que você não via,
Ai — Hoje goteja de sede, geme de fome
E transpira poesia.

--

--

09–11–2022, rj

No meu beijo, o teu rosto
E esta mania de dizer Gente…
De rir para dentro com os lábios apertados
De comentar filosofias em bancos de ônibus, rodoviárias
Achar doçura nas minhas esquisitices
E eu estar absolutamente entregue a todas as suas

No meu beijo o teu rosto mudo
E o som de todas as línguas
Que hoje já não desconheço
E sinto exagerada falta.

- Ai, quem sabe dizer quando e se termina?
Você sente a mesma coisa?
Isso que é forte, que é coisa.

Sussurra outra vez o nome que é meu
E o nome que inventei
Apenas para que você chamasse por mim
Mais uma vez.

“Preciso aprender os mistérios do rio pra te navegar”

--

--

08–11–2022, rj

Meu guarda-roupa tem seu cheiro
E a minha pele tem o mesmo tom que o seu; cheiroso, sereno;
Tocando delicadamente a ponta do teu dedo no meu.
Deita o teu cabelo no meu ombro esquerdo,
Braço fervente ao redor da sua nuca quente
por longas horas. Sem doer, sem correr, sem achar.
O infinito seria tempo e mesmo assim menos
Que o preciso para estar
Quase que completamente cheio
E ainda assim eu pediria mais
De tudo o que você tem pra dar.

--

--

rj, 2022

Frank Ocean — Good Guy LIVE A Cappella at Panorama NYC

Vontade de sumir as mãos
Nos vãos dos teus cabelos
E fazer desaparecer teu corpo
Nos meus que são maiores.

Sentir sem rigidez a grossura dos lábios
Apertar de ombros às costas nuas
Enquanto os braços balançam
À procura de incertezas.

Valsas de pés descalços
Sobre as ondas finas e inquietas
De vastos pastos verticais
Pés de tangerinas, suor seco
E suco docemente amargo.

Ai! …Olhar atento às grandes emoções de estar fechado.

__

Não sou de pedir muito, peço na verdade nada
Então só diga aí qualquer coisa, mande uma boa canção
Alguma que você goste
A que você menos odeia
Aquela que você nunca ouviu,
Que detestou…
Finge que lembrou do que eu não esqueci
Invente respostas, planeje perguntas
E se por acaso não gostar mesmo de mim
Enquanto estiver por aqui
Ah, ao menos finja que sim.

--

--